A peregrinação do Papa na Terra Santa

O Papa Francisco embarcou na sua histórica peregrinação na Terra Santa em 25-26 de maio de 2014. O objetivo principal da visita foi comemorar o histórico encontro entre o Papa Paulo VI e o Patriarca Antenagoras, que aconteceu 50 anos antes.

Durante a sua peregrinação o Papa transmitiu mensagens de fraternidade, respeito mútuo e tolerância, pedindo às pessoas para "pedir ao Senhor o dom da paz." Durante a cerimônia de boas-vindas na sua chegada, o Papa contou ao Primeiro Ministro Benjamin Netanyahu e ao Presidente Shimon Peres que ele implorou a pessoas em posições de responsabilidade para "não poupar esforços" na sua busca pela paz.

Pouco tempo depois da sua chegada o Papa teve um encontro privado com o Patriarca Ecumênico de Constantinopla, Bartolomeu I, na Delegação Apostólica em Jerusalém, depois do qual eles assinaram uma declaração conjunta. Isso foi seguindo por uma visita ecumênica para comemorar o 50º aniversário do encontro em Jerusalém entre o Papa Paulo VI e o Patriarca Atenágoras I na Basílica do Santo Sepulcro.

Assista a um vídeo com os destaques do primeiro dia da visita do Papa.

Durante a sua peregrinação de oração, o Papa Francisco visitou muitos dos lugares mais sagrados e marcos importantes na cidade sagrada de Jerusalém e a sua volta, incluindo a Igreja do Santo Sepulcro, Via Dolorosa, Monte das Oliveiras, Monte Sião e o Cenáculo, O Instituto Pontifício do Centro de Notre Dame, Yad Vashem, Monte Herzel, Heichal Shlomo, o Jardim de Guetsêmani e a Igreja de Todas as Nações e o Muro Ocidental.

No segundo dia da sua visita de dois dias o Papa demonstrou o seu compromisso para com a melhora das relações entre as fés, e a difusão da sua mensagem de paz. O Papa Francisco se encontrou com o Grand Mufti de Jerusalém, Muhammad Ahmad Hussei, e visitou a Cúpula da Rocha, o terceiro lugar mais sagrado do Islã. Sua Santidade depois visitou o Muro Ocidental, um dos lugares mais sagrados no judaísmo, onde ele seguiu uma antiga tradição e colocou uma prece entre as pedras.

Para destacar ainda mais a importância da humanidade e da tolerância o Papa Francisco visitou Yad Vashem para homenagear as vítimas e os sobreviventes do holocausto, e até beijou suas mãos. Depois o Pontífice fez uma visita de cortesia aos dois rabinos chefes de Israel, recordando as raízes judaicas do cristianismo, e dizendo que o elo entre as duas fés é indestrutível, apesar das dificuldades do passado. Então o Papa Francisco teve audiências privadas com o Presidente do Estado de Israel, Shimon Peres, e o Primeiro Ministro Benjamin Netanyahu. Ele também foi o primeiro papa a colocar uma grinalda de flores no túmulo do visionário sionista Theodor Herzl, no Monte Herzel em Jerusalém.

Outros destaques da visita do Papa incluem a visita ao Jardim de Guetsêmani, onde ele se encontrou com padres e sacerdotes, e conduzir uma oração na Igreja de Todas as Nações. Lá o Santo Padre plantou uma muda de oliveira, um símbolo da paz, a apenas poucos metros da árvore plantada pelo Papa Paulo VI. Estendendo o alcance espiritual da sua peregrinação, o Papa Francisco também celebrou uma Missa no Cenáculo, pela tradição o lugar da Última Ceia.